mormon.org Mundial

Como é ser um mórmon?

Resposta Oficial

Um dos maiores motivos de estarmos na Terra é para “ter alegria” (2 Néfi 2:25). A oração pessoal, o estudo das escrituras e a frequência à Igreja ajudam-nos a entender que a melhor maneira de encontrar alegria e felicidade nesta vida é conhecer o plano de felicidade de Nosso Pai Celestial, o evangelho de Jesus Cristo, e esforçar-nos para guardar a “lei” de Deus (Provérbios 29:18).

As famílias são parte fundamental do plano de Deus e onde concentramos boa parte de nosso foco. Queremos compartilhar a felicidade que sentimos com todas as pessoas que pudermos por meio do serviço, do trabalho missionário e de nossa contribuição à sociedade.

  • É um comprometimento enorme: muito tempo e trabalho duro. Mas também é a fonte das mais importantes bênçãos disponíveis para nós. Mostrar mais

  • Ser mórmon é fazer parte de um grupo de pessoas prestativas, amorosas e talentosas que estão unidas em um objetivo comum — ajudar uns aos outros a tornar-se melhor! Com um ponto central na fé em Cristo, vivemos nossa vida no mundo, mas procurando não ser do mundo. A Igreja é simplesmente uma organização que procura ajudar-nos a melhorar nosso caráter e nossa vida todos os dias. Muitas vezes me surpreende o fato de que tenho uma rede instantânea de pessoas, em qualquer lugar do mundo, que não só vão me ajudar em um momento de necessidade, mas que ficarão felizes em ajudar. Minha rede de ex-alunos da Stanford é muito grande. Sou membro da Organização de Jovens Presidentes, com membros no mundo inteiro. Mas essas incríveis redes em nada se comparam ao amor e apoio que sinto de outros membros da Igreja. Não creio que haja uma organização na Terra como esta, e não tenho dúvida de que o interesse comum de fazer o bem, de seguir o Salvador, de ser um pouco melhor a cada dia conduz a um sentimento realmente incrível e raro de que você nunca está sozinho. E, claro, ser mórmon significa que tenho a oportunidade de realmente sentir o amor do Salvador, de acreditar Nele e em Sua Expiação, e de trabalhar todos os dias para cumprir o propósito que Deus indicou para a minha vida. Mostrar mais

  • Muitas pessoas que conheço na indústria de equipamentos de montanhismo me dizem que consideram as montanhas a sua religião. Dizem que são contra as “religiões organizadas”, achando que elas são muito restritivas. Sinto-me perto de Deus nas montanhas também, mas geralmente me perguntam: “O que há de errado em fazer tudo que nos dá alegria?” “Por que tem de haver tantas regras?” “Como você pode ser feliz com todas essas restrições?” Eu costumava achar essas perguntas difíceis. Creio que devemos ser felizes. Recentemente me dei conta de que estou vivendo essas crenças. Estou fazendo o que me torna feliz. Amo este evangelho! Ele enche minha vida de alegria, dá-me forças e me ergue quando caio. Estou vivendo do modo que me dá alegria. Deus conhece nossa natureza e sabe o que nos dá a maior alegria. Podemos passar a vida inteira procurando a felicidade a nosso próprio modo, ou podemos pegar o atalho direto para a verdadeira felicidade, seguindo os ensinamentos e as leis de Deus. Não conheci ninguém que fosse mais feliz por viver de modo contrário ao evangelho! As leis de Deus apenas nos impedem de prejudicar a nós mesmos e aos outros, de tornar-nos escravos do vício, de afastar-nos da verdadeira felicidade procurando-a em lugares que jamais podem oferecer alegria real e duradoura. A pergunta não é “não devemos fazer o que nos torna felizes?” Mas, sim: “O que é a verdadeira felicidade e o que realmente me dá mais alegria?” Sinto que temos a resposta para essas duas perguntas e que isso é ao mesmo tempo reconfortante e emocionante! Mostrar mais

  • Como membros da Igreja, buscamos ativamente o crescimento espiritual e maior conhecimento por meio do estudo pessoal e em grupo. Acompanhados com espírito de oração ao ponderar sobre nossa natureza divina e nosso relacionamento com Deus, tais estudos nos trazem paz e nos dão propósito para todos os momentos da vida. É uma fé participativa, não há um clero pago, por isso as posições de serviço e liderança são preenchidas por voluntários. Essa dependência de um para com os outros cria uma comunidade viva, onde as necessidades das pessoas são atendidas. Viver a doutrina e os mandamentos da religião mórmon pode fazer com que fiquemos de lado — nos abster de bebidas alcoólicas, estimulantes e práticas consideradas normais na sociedade pode ser difícil tanto pessoal como socialmente. Contudo, se formos sinceros em nossa adesão a tais princípios e mantivermos um humilde respeito pelas escolhas das outras pessoas, sentiremos também que somos respeitados. Os membros são incentivados a viver seus padrões pelo “Espírito da lei” em vez de pela “palavra”. As famílias, consideradas eternas por natureza, apresentam-se de várias formas tais como, de solteiros, viúvas e viúvos, pais que criam os filhos sozinhos, pais com filhos adultos, e famílias novas que estão apenas começando. Cada uma é altamente valorizada e recebe grande atenção da liderança geral e das auxiliares. Mostrar mais

Sem Resultados