mormon.org Mundial

A História da Família

Por que a História da Família é Importante

Aqueles dentre nós que foram picados pelo bichinho da história da família sabem o quanto pode ser divertido. Mas não é essa a razão de termos a maior biblioteca genealógica do mundo e o motivo de treze milhões de mórmons serem incentivados a pesquisar suas raízes familiares. Em vez disso, o que nos motiva é nossa doutrina que ensina que o casamento e a família podem continuar além desta vida. Mas isso somente pode acontecer quando a família é selada em um dos sagrados templos do Senhor em todo o mundo e unida pela eternidade.

Isso é ótimo para nós hoje que temos a chance de ser selados em um templo, mas e nossos antepassados que morreram sem a oportunidade de receber ordenanças como o batismo ou as bênçãos de ser uma família eterna? Faz sentido que Deus simplesmente diga: “Que azar, é uma pena”? É claro que não. Quando Cristo organizou Sua Igreja nos tempos antigos, ela incluía a doutrina do trabalho vicário pelos mortos e a prática de realizar ordenanças por parentes falecidos “Doutra maneira, que farão os que se batizam pelos mortos, se absolutamente os mortos não ressuscitam? Por que se batizam eles então pelos mortos?” (I Coríntios 15:29). A restauração da Igreja original de Cristo na Terra por meio do Profeta Joseph Smith incluiu a antiga prática de realizar essas ordenanças por nossos parentes falecidos, nos templos sagrados. Hoje, o evangelho de Jesus Cristo inclui as mesmas bênçãos nos templos sagrados.

A pesquisa genealógica ou da história da família é uma precursora fundamental do trabalho do templo por nossos antepassados falecidos. Nós a fazemos para conseguir os nomes e outras informações genealógicas de modo que as ordenanças do templo possam ser realizadas por nossos queridos antepassados. Nossos antepassados são ensinados sobre o evangelho no mundo espiritual e podem escolher aceitar ou rejeitar o trabalho realizado por eles. A Madre Teresa disse certa vez: “A mais terrível pobreza é a solidão e o sentimento de não ser querido”. O pensamento de que essa solidão — a de não ser querido e de ser separado de quem amamos — poderia estender-se além desta vida é realmente triste e algo que o trabalho no templo pode evitar.

A Promessa de Elias, o Profeta

Por que estão fazendo isso? Muitos provavelmente dirão que é um passatempo divertido e que se sentem motivados por uma grande curiosidade a respeito de seus antepassados. Mas é porque foram tocados pelo espírito deste trabalho. Espírito de Elias De acordo com o Velho Testamento, Elias, o profeta, voltaria à Terra para preparar o caminho do Senhor. O Espírito do Senhor é o espírito de amor que por fim superará todo o distanciamento da família humana enquanto constrói pontes entre as gerações. A pesquisa genealógica liga os queridos avós, já falecidos, aos netos que nunca os conheceram, pois preserva e compartilha suas histórias e lembranças. Uma vida não registrada é uma vida que em uma ou duas gerações cairá no esquecimento. E mais, conhecer nossos antepassados ajuda a moldar-nos e instila em nós valores que direcionam e dão significado a nossa vida.

O Profeta bíblico Malaquias profetizou a respeito do retorno de Elias, o profeta, para converter o coração dos pais aos filhos, e o coração dos filhos a seus pais (ver Malaquias 4:5–6).

A profecia foi cumprida quando o profeta Elias apareceu a Joseph Smith e Oliver Cowdery (o homem que ajudou Joseph a traduzir o Livro de Mórmon) no Templo de Kirtland em 3 de abril de 1836. Elias restaurou poderes específicos do sacerdócio ao conferi-los a Joseph e Oliver. Esse poder é o que torna possível às famílias serem seladas por gerações. Por meio do trabalho de história da família, podemos participar do cumprimento contínuo dessa promessa. Podemos aprender sobre nossos antepassados e aqueles que morreram sem a oportunidade de ouvir o evangelho e receber ordenanças, e aumentar nosso amor por eles. Podemos ser inspirados por suas histórias de coragem e fé. Podemos transmitir esse legado a nossos filhos.

Como Começar

Se você sabe pelo menos o nome de um antepassado falecido, digamos, seu tio-bisavô Theodore Jones, já pode começar a pesquisar no site www.familysearch.org . Você pode encontrar muitas informações e muitos recursos para guiá-lo em sua pesquisa, como os seis passos básicos para fazer a pesquisa de história da família.

O site é um dos serviços de genealogia online mais conhecidos e é gratuito. Ele é administrado pela Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias e está ligado à maior coleção de recursos genealógicos do mundo e a uma rede mundial de centros de pesquisa. O site contém bilhões de nomes de mais de 110 países e territórios e inclui o Censo dos Estados Unidos de 1880, o Censo Canadense de 1881, o Censo Britânico de 1881, o banco de dados de Ellis Island e os Registros do Freedman’s Bank. A Igreja atualmente trabalha em um grande projeto de digitalização de microfilmes e outros registros que acrescentarão bilhões de nomes à coleção nos próximos anos.

Centros de História da Família

Mesmo que nossos motivos para fazer a história da família sejam diferentes dos motivos da maioria das pessoas, ficamos felizes em compartilhar nossa coleção de registros microfilmados e digitalizados gratuitamente com qualquer pessoa que compartilhe dessa nossa paixão. Isso abrange milhões de pessoas, já que a genealogia é considerada o passatempo que mais cresce na América do Norte, superando em popularidade a confecção de colchas de retalhos, a coleção de selos e até a jardinagem. É tão popular, na verdade, que vários programas de TV mostraram recentemente celebridades e pessoas comuns pesquisando suas raízes.

A Biblioteca de História da Família de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, localizada em Salt Lake City, Utah, é a maior biblioteca genealógica do mundo e fornece acesso a muitas coleções de registros, com mais de dois bilhões de nomes de pessoas falecidas. Ela contém registros de mais de 100 países e abrange tudo desde os registros de igrejas inglesas do século XIV até histórias africanas transmitidas oralmente. Em média, 2.400 pessoas, inclusive muitos visitantes da Europa e Ásia, visitam a biblioteca todos os dias.

Além de nossa biblioteca principal, há mais de 4.500 centros de história da família em todo o mundo, que geralmente funcionam nas capelas da Igreja. Seu propósito é ensinar as pessoas a pesquisar seus antepassados. Sua equipe é formada por membros da Igreja voluntários e todos os serviços são gratuitos.